VOLTAR     

 

 

Responsabilidade mediúnica

 

A responsabilidade do médium não está apenas em seu comparecimento pontual às reuniões. Está, certamente, em todos os momentos de sua vida, porque, querendo ou não, muitas vezes é visto como alguém que sabe mais e pode informar mais acertadamente, tendo em vista seu contato com o mundo espiritual. Por isso precisa ter muito cuidado para jamais passar informações ou explicações das quais não estiver bem seguro, e mesmo constatada essa segurança, perguntar a si mesmo se deve falar e no caso positivo, como fazê-lo.

Um conhecido nosso que estava sofrendo de profunda depressão, procurou um centro espírita, como último recurso a ser buscado. Foi atendido por um médium que lhe afirmou tratar-se de problema espiritual e indicou-lhe a desobsessão.

Foram longos meses de tratamento sem qualquer resultado, até que, completamente desiludido, afastou-se do centro e do espiritismo, a procura de tratamento médico.

Ao comentar o caso, o médium em questão resolveu o problema da forma mais simples, dizendo: “fulano não se curou porque não se ajudou, não fez a reforma interior que o teria levado a curar-se daquela obsessão.”

Essa conclusão foi absolutamente leviana. Como poderia ele garantir que o caso era obsessão? Aliás, nos meios espíritas peca-se muito com o levantar da bandeira das certezas. É comum as respostas para as mais diversas perguntas que são feitas a espíritas, descerem diretamente dos arquivos mentais para a boca, sem passarem pelo crivo da razão, do bom senso, como se sempre fossemos os donos da verdade.

No caso em pauta é preciso saber-se que a depressão, na imensa maioria das vezes, tem origem espiritual, o que não significa tratar-se de obsessão. Essa origem geralmente está no passado reencarnatório, acessando o presente em diversas modalidades. Há fortes indícios de que uma dessas modalidades está numa espécie de catarse do lixo do inconsciente, subindo à tona, assim como um vulcão expelindo lavas e cinzas. Certamente em muitos casos as causas são várias.

Estamos vivendo em pleno apocalipse que significa revelação. O que estava oculto vem à tona. Também estamos transitando de “provas e expiações” para “mundo de regeneração”. Então, é natural que tenhamos de nos desfazer do excesso de lixo acumulado em nosso inconsciente no decorrer do tempo e das reencarnações.

Num mundo de provas e expiações o excesso desses lixos, dessas cargas tóxicas espirituais, é eliminado através das mais diversas formas de sofrimento. Não seria natural então que hoje, no patamar de uma nova era, eles possam ser eliminados também por outras modalidades?

 

"Trecho extraído do livro “Mergulho no Invisível - Saara Nousiainen”.