VOLTAR     

 

 

CORRENTE ELÉTRICA E CORRENTE MENTAL

 

No livro Técnica da Mediunidade, Torres Pastorino, explicando de forma simples as semelhanças entre corrente elétrica e corrente mental, diz:

 

Primeiramente recordemos algumas definições, a fim de estabelecer entendimento

dos termos que serão empregados.

 

VIBRAÇÃO

O que nos dá melhor idéia do que seja vibração, é ver o funcionamento de um pêndulo, com seu vai-vem característico.

No pêndulo distinguimos:

a) o “momento de repouso” ou de “equilíbrio”, quando ele se acha exatamente na

vertical;

b) os “pontos máximos”, que ele atinge ao movimentar-se.

Partindo daí, verificamos que a vibração pode ser:

SIMPLES - que é o percurso de um ponto máximo A ao outro ponto máximo A' DUPLA - que constitui a ida e volta (de A a A' e de A' a A).

A esta vibração dupla chamamos OSCILAÇÃO.

FREQUÊNCIA

Denominamos FREQUÊNCIA ao número de oscilações executadas durante UM segundo.

Quanto maior a freqüência, mais ALTA é ela; quanto menor, mais BAIXA.

Então, se executar 10 oscilações em um segundo, a freqüência é baixa; se realizar

10.000 oscilações em um segundo, a freqüência é alta.

A freqüência é medida em CICLOS. Então o número de ciclos é o número de oscilações (ou freqüência) contadas ao passar por determinado ponto, durante um segundo.

ONDA

Como, nada existe de imóvel, também a oscilação (freqüência ou vibração) caminha de um lado para outro. A essa vibração que caminha chamamos ONDA.

CORRENTE

Ao deslocamento de partículas num condutor damos o nome de CORRENTE; se a corrente caminha para um só lado, constantemente, dizemos que é contínua ou direta. Se ora vai para um lado, ora para outro, a denominamos alternada.

Por exemplo, quando dizemos que a corrente tem 50 CICLOS, isto significa que a

onda passa, por determinado ponto, de um lado para outro, 50 vezes em cada segundo, ou seja, tem 50 oscilações por segundo.

 

Freqüência dos Pensamentos - Aqui começamos a entrever que a mediunidade pode ser medida e considerada com todos esses termos. A diferença reside nisto: a corrente elétrica é produzida por um gerador, e a corrente mental é produzida pela nossa mente e transmitida por nosso cérebro. No cérebro temos uma válvula que transmite e que recebe, tal como um aparelho de rádio. Mas vamos devagar.

Consideremos, por enquanto, que cada cérebro pode emitir em vibrações, ou freqüência alta ou baixa, de acordo com o teor dos pensamentos mais constantes. O amor vibra em alta freqüência; o ódio, em baixa freqüência. São pólos opostos. Quanto mais elevados os pensamentos, em amor, mais alta a freqüência e mais elevada a ciclagem.

 

Na onda distinguimos varias coisas:

a) a AMPLITUDE, isto é, a força da onda (ou amplitude da oscilação), medida pela distância maior ou menor de subida e descida numa linha média; é, em outras palavras, o tamanho da oscilação. Temos, pois (veja fig. 3):

1) a BAIXA amplitude, quando as oscilações são pequenas;

2) a ALTA amplitude,. quando as oscilações são grandes.

Mas também há o:

b) COMPRIMENTO da onda, que é a distância que medeia entre duas oscilações.

Para uniformizar a medida dessa distância, costumamos medir a distância entre duas “cristas” consecutivas. CRISTA é o ponto máximo de uma oscilação. MEDIDAS

A medida do comprimento de onda é efetuado em:

a) metros (quando mais longas);

b) angström (quando mais curtas).

O angström (tirado do nome de um físico sueco) é uma medida pequeníssima; basta dizer que UM milímetro tem DEZ MILHÕES de angström (portanto UM centímetro tem CEM MILHÕES de angström).

 

Correntes de Pensamentos - Tudo a que vimos dizendo é indispensável conhecer, para que bem se compreenda o fenômeno científico da mediunidade, que se manifesta por meio de vibrações e ondas. A fim de dominar-se o mecanismo do fenômeno, é mister que a cada palavra seja dado o valor exato que possui no estudo da ciência da física e da eletrônica.

As vibrações, as ondas, as correntes utilizadas na mediunidade são as ondas e correntes de “pensamento”. Quanto mais fortes e elevados os pensamentos, maior a freqüência vibratória e menor o comprimento de onda. E vice-versa.

O que eleva a freqüência vibratória do pensamento (vímo-lo) é o amor desinteressado; abaixa as vibrações tudo o que seja contrario ao amor: raiva, ressentimento, mágoa, tristeza, indiferença, egoísmo, vaidade, enfim qualquer coisa que exprima separação e isolamento.

 

ONDAS AMORTECIDAS

Em física, estudamos as ONDAS AMORTECIDAS, assim chamadas porque atingem rapidamente um valor máximo de amplitude, mas também rapidamente decrescem, não se firmando em determinado setor vibratório. São produzidas por aparelhos de “centelha”, que intermitentemente despedem fagulhas, chispas, centelhas, mas não executam uma emissão regular e fixa em determinada faixa., Produzem efeito de “ruídos”.

 

Preces não atendidas - No cérebro, ONDAS AMORTECIDAS são as produzidas por cérebros não acostumados à elevação, mas que, em momentos de aflição, proferem preces fervorosas.

A onda se eleva rapidamente, mas também decresce logo a seguir, pois não tem condição para manter-se constantemente em nível elevado, por não estarem a ele habituados. São pessoas que, geralmente, se queixam de que “suas preces não são atendidas”. De fato, produzem “ruídos”, mas não conseguem sustentar-se em alto nível, não atingindo pois, o objetivo buscado.

 

INDUTÂNCIA

Chama-se assim a inércia da eletricidade, na mudança de uma direção para outra,

na vibração. Em outras palavras, quando a oscilação chega ao ponto máximo, ela para, para voltar ao lado oposto. Essa é a “indutância”, que é medida em “henrys”.

 

Momentos de silêncio - Na mediunidade observamos também o fenômeno da indutância,

que provoca muitas vezes “momentos” de silêncio. O médium “treinado” permanece calado,

nesses momentos. O não desenvolvido intromete aí pensamentos seus, “colaborando” na

manifestação externa. Se a indutância é muito grande, a comunicação torna-,se imperfeita e

falha. Isso pode ser causado por defeito do aparelho receptor (médium) ou do aparelho

transmissor (espírito). Qualquer dos dois, sendo “humanos”, pode ser fraco e apresentar indutâncias muito fortes, hiatos longos.

 

ONDA ELETROMAGNÉTICA

Vemos, então, que ONDA é uma partícula que se desloca com movimento oscilatório.

Acontece, porém, que ao deslocar-se, provoca um “campo magnético” (estudaremos, posteriormente, o magnetismo com pormenores). Mas podemos registrar desde já a definição:

Chama-se assim a oscilação da carga elétrica, com CAMPO MAGNÉTICO. Esse

“campo magnético” particular acompanha a onda que o criou.

Vejamos, agora, as diversas espécies de ondas:

ONDAS LONGAS - são todas as superiores a 600 metros de comprimento. Caminham ao longo da superfície terrestre e têm pequeno alcance.

ONDAS MÉDIAS - são as de comprimento entre 150 e 600 metros. Caminham em parte ao longo da superfície, mas também se projetam para as camadas superiores da atmosfera. Têm alcance maior que as anteriores, embora não

muito grande.

ONDAS CURTAS - são as que variam entre 1,0 e 150 metros. Rumam todas para a atmosfera superior, e são captadas de “ricochete”. Têm alcance muito grande, podendo ser captadas com facilidade até nos antípodas.

ONDAS ULTRA-CURTAS - são todas as que forem menores que 10 metros. Muito maior alcance e força, ecoando nas camadas superiores da atmosfera.

Tudo isso faz-nos compreender a necessidade absoluta de mantermos a mente em

“ondas” curtas, isto é, com pensamentos elevados, para que nossas preces e emissões possam atingir os espíritos que se encontram nas altas camadas.

As ondas longas, de pensamentos terrenos e baixos, circulam apenas pela superfície da

Terra, atingindo somente os sofredores e involuídos, ou as próprias criaturas terrenas. Qualquer

pensamento de tristeza ou ressentimento ou crítica abaixa as vibrações, não deixando

que nossas preces cheguem ao alvo desejado.

Por isso disse Jesus: “Quando estiveres orando, se tem alguma coisa contra alguém,

perdoa-lha” (Mr. 11:25) e mais: “se estiveres apresentando tua oferta no altar, e aí lembrares

de que teu irmão tem alguma coisa contra ti, deixa ali tua oferta diante do altar,

vai primeiro reconciliar-te com teu irmão, e depois vem apresentar tua oferta” (Mat.

5:23-24). Impossibilidade, digamos científica. Não pode haver sintonia.

Técnica da Mediunidade 17

A prece não pode, científica e matematicamente, atingir os planos que desejamos, porque

estamos “dissintonizados”. Não se trata de maldade ou “exigência” dos espíritos superiores.

Mas não chega a eles nossa prece. Da mesma forma que um rádio só de “ondas curtas”

não pode captar os sinais das “ondas longas” e vice-versa. Cada um (a ciência o comprova

experimentalmente) só pode comunicar-se com seus afins em vibração. Por isso repete sempre:

o Evangelho, mais do que um repositório, teológico, é um Tratado de Ciência, apenas expresso

em termos de sua época.

Quando as ondas “caminham”, podem formar uma “corrente”.

 

 

Extraído do livro "Técnica da Mediunidade - Torres Pastorino

OBS. Esse livro está esgotado, mas pode ser "baixado"  pela Internet,

bastando colocar num site de busca.